Redes da Maré – Um território, mil possibilidades

gallery post
gallery post
gallery post
gallery post
gallery post
gallery post
gallery post

A forte ligação com o território é uma das marcas que definem a Redes da Maré – instituição que atua há mais de uma década em uma das maiores e mais conhecidas favelas do País. E, embora o campo de ação seja bem definido, as possibilidades de intervenção e mobilização têm se mostrado infinitas.

A premissa de atuação é o encontro. Assim, moradores da Maré e de outras regiões da cidade se unem em vínculos afetivos, profissionais e políticos para transformar o território, lutar por melhorias e tecer uma grande teia de ações, projetos, instituições e parcerias que têm feito a diferença – não só na vida da comunidade mas na cidade como um todo.

Para isso, há que se reconhecer a diversidade e juntar diferentes contribuições, opiniões, utopias, valores, histórias e esperanças – transformando-as em ação coletiva. O ponto em comum é o desejo de mudar a realidade nos territórios populares da cidade a partir da Maré.

A Maré é a cidade e a cidade passa pela Maré. E, nesta equação, os moradores são protagonistas das ações, proposições, reclamações e reivindicações. A construção do cotidiano é feita a partir da participação de quem vive no território.

Sendo assim, fóruns, debates, reuniões, audiências públicas e encontros são frequentes – inclusive com a participação de autoridades e representantes do poder público, numa aposta em processos democráticos e participação coletiva na definição de prioridades para investimentos e políticas públicas na Maré.

Muitas ações – sempre feitas em parceria com instituições, organizações internacionais, órgãos públicos, pessoas, coletivos e empresas – realizadas pela Redes da Maré se tornaram referência na atuação em territórios populares e áreas de conflito do Rio de Janeiro.

Uma delas, o mapeamento e nominação de todas as ruas da Maré, o que resultou na publicação de um guia. “O processo de escolha dos nomes envolveu os moradores, que batizaram as suas ruas e ganharam placas para sinaliza-las. Diferente de outras favelas da cidade, hoje a Maré está no mapa”, resume a diretora da Redes Eliana Silva.

Desenvolvimento local, educação, cultura, comunicação e segurança pública são os eixos de atuação que se desdobram em quase trinta projetos em áreas tão diversas quanto a dança – a internacionalmente reconhecida e premiada Cia. Lia Rodrigues de Dança tem residência fixa na Maré graças a uma parceria com a Redes – e a gastronomia – é na Maré um dos mais bem-sucedidos projetos de profissionalização e empoderamento de mulheres existentes no País, o Maré de Sabores.

Teias tecidas na Maré que inspiram realizações mundo afora.

Comentários

comentários