Agência de Redes para Juventude – Favela é potência

gallery post
gallery post
gallery post
gallery post
gallery post
gallery post
gallery post
gallery post
gallery post

Empoderamento de jovens das periferias. Este poderia ser um resumo do que pensa, quer e faz a Agência de Redes para a Juventude, projeto criado em 2011 para atuar em comunidades pacificadas do Rio de Janeiro e que hoje exporta sua metodologia de ação para outras cidades do Brasil e do mundo.

O ponto de partida é o estímulo para que jovens entre 15 e 29 anos criem seus próprios projetos a partir de demandas reais do território em que vivem. A ideia é lapidada em uma série de encontros que ajudam os jovens a detalhar e embasar sua proposta e apresentada a uma banca que seleciona os projetos que terão o apoio da Agência.

Cada um recebe 10 mil reais para colocar sua ideia em prática e o incentivo para buscar formas de viabiliza-la financeiramente a médio e longo prazos. Iniciativas para reciclagem de lixo nas comunidades, assistência para mães adolescentes, edição de jornais comunitários, cursos de inglês e informática, criação de cineclubes, oficinas de percussão, escolas de circo e aulas de dança e teatro são algumas das ideias colocadas em prática pelos jovens que passaram pela Agência.

Para que sua ideia seja escolhida, o jovem não precisa reinventar a roda ou criar projetos super inovadores. A proposta é muito mais que o projeto tenha real identidade com o território, dialogando com as necessidades do local do que ser algo que nunca foi feito antes.

Reconhecimento além-mar

Em 2014 a iniciativa conquistou o prêmio Calouste Gulbekian e uma verba de 175 mil libras para implementar a metodologia da Agência de Redes para a Juventude nas cidades inglesas de Londres e Manchester.

Prova de que jovens das periferias de todo o mundo, mesmo aquelas de grandes centros europeus, podem ser estimuladas e beneficiadas pelo olhar transformador proposto pela Agência.

“Nosso objetivo é extrair de dentro desses jovens seus potenciais criativos, mostrando que o território em que vivem é um lugar onde existem coisas, e não o lugar onde não há nada e de onde eles têm que ir embora para conseguir algo”, arremata Marcus Faustini, idealizador da Agência.

Site: agenciarj.org
Facebook: facebook.com/AgenciadeRedesParaJuventude
Twitter: @agenciaderedes

Comentários

comentários